Política: Um jogo de poder

Como acontece com qualquer criança, algum dia um adulto parou para me explicar o que era política.

Não me lembro quem foi, e não deve ter sido uma única pessoa, nem uma única vez. Mas sua explicação foi certamente algo como:

O presidente é quem cuida do país! Ele procura saber o que é que a população precisa, e trata de encontrar soluções para os seus problemas. Tem também o governador, que tenta resolver os problemas do estado. E o prefeito que toma conta do município. Todos eles são escolhidos por nós, pela população, para que esses trabalhos de tanta importância sejam ocupados pelas pessoas mais competentes e bem intencionadas.

Há variações no discurso, como incluir o poder legislativo, entrar em mais detalhes do papel de cada ente da federação, explicar melhor como são as eleições, etc. Mas a linha básica é essa. E o estrago na criança é enorme.

Por muitos anos, mantive essa ingênua crença de achar que os políticos tinham como objetivo cuidar dos interesses da população; que a estrutura política foi desenhada para que o seu produto fosse aumentar (ou mesmo tornar possível) o bem-estar da população.

Depois de ler a opinião de muita gente que pensava diferente — inicialmente negando suas ideias; depois concedendo um ponto ou outro, mas ainda rejeitando suas conclusões gerais; mais tarde concordando, com algumas poucas ressalvas inegociáveis; até ser finalmente convencido e agora estar aqui tentando repassar seus ensinamentos adiante –, hoje entendo que a natureza política “é qualquer coisa, menos idílica” como eu imaginava.

Mas para a maioria das pessoas, aquele conceito original não é suficientemente contestado e segue vivo para sempre. Afinal, é muito difícil se desfazer de um conjunto de ideias a partir do momento em que a pessoa considera que elas já estão maduras. Quando inevitavelmente deparados com os noticiários escandalosos de corrupção na política, ou mesmo de seus péssimos resultados em realizar aquilo que se propõe a realizar, nós inacreditavelmente escolhemos nos manter agarrados a nossas crenças juvenis e desprezar os fatos que gritam diante de nossos olhos.

Nos enganamos acreditando que o problema são os políticos que estão aí. Que basta trocar as peças, fazer um ou outro ajuste, colocar ordem no circo, e as coisas voltarão à normalidade dos nossos sonhos.

É muito mais fácil uma pessoa entender que política não é o conto de fadas que somos levados a acreditar que é se desde criança ela também ouvir alguma explicação alternativa. Algo que gere uma disputa interna, um assunto não resolvido em sua cabeça, e que mais tarde ela tente usar os fatos que percebe da realidade para decidir qual das duas versões é mais verdadeira. E uma maneira de conseguir chamar a atenção das crianças é com um divertido jogo.

Aqui entra Vossa excelência: O jogo político, onde a política é tratada como um jogo de poder. Cada jogador é um deputado, e “vence a partida o jogador que possuir o maior ‘capital político’ ao final do jogo.” Para isso, ele precisa comprar eleitorados (segmentos da população, como os jovens, os religiosos, etc), influencers, a mídia e outras pessoas poderosas. O dinheiro que o jogador usa para essas compras vem de manobras políticas, obras superfaturadas, retorno por indicações políticas, e assim por diante. As regras do jogo são bastante intuitivas para quem acompanha o noticiário:

Exatamente aquilo que acontece na política de verdade, os criadores colocaram em um jogo de cartas para as crianças brincarem.

Se você teria vergonha que o seu filho se tornasse mais um fantoche de políticos, você precisa encontrar uma maneira de explicar para ele que os governantes não são os anjinhos fraternos e desprovidos de auto-interesse que eles mais tarde ouvirão de outras pessoas que são.

Pelo contrário, são pessoas de carne e osso que também têm os seus desejos, seus sonhos, sua vaidade e sua vontade de subir na vida. E que se eles receberem poder de mandar na população, esse poder será previsivelmente empregado na perseguição dos seus próprios objetivos, e não na perseguição dos objetivos daqueles que lhes entregaram tal poder.

Felipe é economista e libertário. É também fundador da Academia Liberalismo Econômico. Além da Academia Liberalismo Econômico, seu trabalho já apareceu no Instituto Mises Brasil, na Foundation for Economic Education, no Instituto Liberal, entre outros.

Assine minha lista de distribuição para ser o primeiro a receber novos artigos!
Nunca compartilho seu endereço de e-mail com ninguém, e nunca uso a lista para enviar e-mails não solicitados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *