Ensinando bitcoin

Como comprar bitcoin, um guia completo

Se você, como muita gente, quer investir em bitcoins mas não sabe por onde começar, você veio para o lugar certo! Este é um guia completo com tudo o que você precisa para comprar seus primeiros bitcoins. Não é preciso qualquer conhecimento inicial, e também não vou entrar em detalhes miúdos sobre a tecnologia do bitcoin, sua relação com outras criptomoedas, se é ou não um bom investimento, ou mesmo aspectos legais. Esse guia responde objetivamente a seguinte pergunta: Como comprar bitcoin?

O guia foi dividido em cinco seções:

  1. Pequeno glossário
  2. Criando uma carteira para guardar os bitcoins
  3. Como comprar bitcoin
  4. Transferindo os bitcoins para a sua carteira
  5. Dicas básicas de segurança e privacidade

Pronto? Vamos lá!

Antes de mais nada, quero deixar claro que alguns termos estão definidos e usados com pequenas simplificações para ficarem mais claros. Essas simplificações não prejudicam o correto entendimento do leitor quanto ao que ele deve fazer para comprar e guardar seus bitcoins com segurança. Pelo contrário, são elas que tornam o texto mais acessível a um número maior de pessoas.

Também não vou entrar em cada possibilidade possível que o leitor poderia escolher, apenas nas escolhas mais comuns e recomendadas para alguém que está começando.

Quero pedir também que a última seção, com dicas de segurança e privacidade, não seja deixada de lado. Vale a pena dar uma lida rápida para se proteger.

Por fim, quem tiver qualquer dúvida sobre o que foi escrito (ou algo que ficou faltando), pode escrevê-la nos comentários e tentarei respondê-la assim que puder. Algumas dessas respostas poderão futuramente ser incorporadas no guia.

Agora sim, vamos em frente!

1. Pequeno glossário

Então antes de aprender propriamente como comprar bitcoin, vamos começar acertando os ponteiros. Principalmente no que diz respeito a alguns nomes que usarei aqui e que você também encontrará em outros lugares. Sempre que algum termo do guia parecer estranho, volte aqui para reler sua definição. Há muitos termos novos, de significados bem específicos, mas que precisam ser compreendidos.

Uma carteira de bitcoin é onde ficarão armazenados os seus bitcoins. Não se trata de uma carteira física, mas de uma carteira virtual que pode ser acessada por aplicativos ou aparelhos no seu computador ou no seu celular. Em outros guias sobre bitcoin, esses aplicativos e aparelhos também são chamados de carteira. Para evitar confusão, irei sempre me referir a eles por gerenciadores de carteira. Atenção que este é um termo que criei para usar neste guia, já que geralmente se usa a palavra carteira para tudo — o que acho que fica muito confuso para quem está começando e não sabe fazer a distinção pelo contexto.

Então carteira é onde estão os seus bitcoins, e o gerenciador de carteira é o aplicativo ou aparelho que você usa para acessar a sua carteira.

Um endereço de bitcoin é uma sequência de letras e números que funciona como uma porta para a sua carteira. Então se você der um endereço da sua carteira para um conhecido, ele pode transferir bitcoins para a sua carteira através deste endereço. Exemplo:

12c6DSiU4Rq3P4ZxziKxzrL5LmMBrzjrJX

Uma analogia útil é pensar em sua carteira como uma conta corrente que você tem no banco, e seu endereço como os dados da conta que você pode passar a outra pessoa para receber uma transferência.

Mineradores de bitcoin
Estes computadores estão minerando bitcoins. Ficam ligados 24 horas por dia. O principal custo de se minerar bitcoin é a energia elétrica, tanto para manter os computadores funcionando como para refrigerá-los. Por isso os mineradores ficam geralmente em países com energia barata, como a China.

Diferentemente do que acontece com contas bancárias e dados de contas bancárias, uma carteira pode ter muitos endereços. Na verdade, uma carteira tem, de fato, um número ilimitado de endereços. Bitcoins que entram por qualquer um destes endereços, todos eles caem na mesma carteira. Então também é útil pensar na carteira como uma casa com inúmeras portas — seus endereços.

O blockchain é uma lista onde ficam registradas todas as transações de bitcoin. Sempre que uma pessoa envia bitcoin para outra, o remetente está solicitando o registro desta transação no blockchain. A comunidade de mineradores verifica se o remetente realmente possui os bitcoins que estão sendo enviados e, em caso positivo, registra essa transação no blockchain. A partir daí, o destinatário consegue provar para o mundo que aqueles bitcoins estão sob o seu poder. Isso é o que é essencialmente comprar bitcoins: existir um registro no blockchain que prova que um endereço de uma carteira que você controla recebeu bitcoins.

O blockchain é um arquivo mantido e atualizado por milhares de pessoas ao redor do mundo. São os já mencionados mineradores. A cada transferência de bitcoin, eles recebem uma pequena fração do valor transferido em comissão. Em troca, verificam a validade das operações e disponibilizam o blockchain para consulta pública.

Tudo isso pode parecer incrivelmente complexo, mas você realmente só precisa de duas coisas para comprar seus primeiros bitcoins: um lugar para guardá-los, e saber como comprar bitcoins. Comecemos com o primeiro.

2. Criando uma carteira para guardar os bitcoins

Bitcoins são mantidos em carteiras, como as definidas acima. Para o usuário, criar uma carteira se resume basicamente a definir as palavras-chave que dão origem à carteira. Explicarei na seção de dicas de segurança o que são as palavras-chave.

Neste seção, criaremos a sua carteira usando um gerenciador de carteira. O gerenciador de carteira serve para:

  • Criar a sua carteira.
  • Visualizar quantos bitcoins há na sua carteira.
  • Gerar endereços da sua carteira e guardar suas chaves privadas.
  • Enviar bitcoins para outra carteira.
  • Outras funções semelhantes, a depender do gerenciador.

Apresentarei nesta seção três tipos de gerenciadores de carteira, cada um com um nível de segurança e outro de conveniência. Mesmo o tipo menos seguro, o dos aplicativos online, é bastante seguro. Só que a segurança dos outros tipos é ainda mais reforçada, praticamente blindada!

Para cada tipo de gerenciador, farei minhas recomendações de marca de aplicativo ou aparelho. Não vou detalhar como navegar em cada um deles, já que são todos relativamente simples e cada um possui documentação e suporte próprios.

Uma vez que você tenha escolhido o tipo de gerenciador de carteira que se adequa às suas necessidades, você precisa escolher um gerenciador dentro deste tipo. Depois basta seguir suas instruções para criar a sua primeira carteira.

Aplicativos online

Essa é a forma mais conveniente de se guardar bitcoins, pois eles podem ser acessados, recebidos e transferidos pelo próprio celular. A desvantagem é exatamente essa, você precisa tomar cuidado para ninguém obter acesso indevido ao seu aparelho de celular.

Não é recomendado deixar neste tipo de gerenciador um valor que faria falta se fosse perdido. É mais ou menos como o dinheiro que temos na carteira física: deve ser o necessário para efetuar transações do dia a dia, mas é arriscado e desnecessário deixar todo ou muito do seu dinheiro ali.

Antigamente esses aplicativos apenas sincronizavam com carteiras que estavam na verdade em seu computador. Em outros casos, o usuário nem mesmo recebia as palavras-chave que ficavam com a empresa que disponibilizava o aplicativo.

Hoje em dia esses aplicativos funcionam no celular exatamente como no computador, simplificando muito as coisas. Lembre-se de anotar as palavras-chave no momento em que estiver criando a carteira, afinal elas não estão sendo guardadas por mais ninguém além de você.

Dentro deste tipo de gerenciador, recomendo o Coinomi. Conheço muita gente que usa esse gerenciador há anos sem nenhum problema, há versão em português e é multiplataforma (Android, iOS, e até mesmo computadores Windows, Mac e Linux). O leitor pode optar também pelo Electrum apresentado abaixo.

Resumo
Segurança: Média-alta, é preciso tomar medidas para proteger o seu celular.
Conveniência: Altíssima, você carrega os bitcoins no bolso.
Custo: Grátis.

Programas de computador

Estes são programas que você baixa da internet e instala no seu computador. Como nos aplicativos online atuais, as palavras-chave não são armazenadas por mais ninguém além de você, e as chaves privadas ficam armazenadas somente no seu computador. Isso dá a você a certeza de que ninguém mais consegue acessar e movimentar os bitcoins de sua carteira.

O risco aqui é se o seu computador for invadido por hackers ou infectado por vírus. Por isso é importante mantê-lo sempre bem protegido.

O programa ajuda o usuário a criar sua carteira. Lembre-se de anotar as palavras-chave no momento em que estiver criando a carteira, afinal elas não estão sendo guardadas por mais ninguém além de você.

Dentro deste tipo de gerenciadores, recomendo o Electrum. Seu site não é dos mais modernos, mas seu código-fonte é divulgado publicamente, a equipe que está por trás dele é excelente, ele é amplamente recomendado por especialistas e muito versátil para o dia em que o leitor se tornar um usuário mais avançado. Há também versão para Android e iOS.

Electrum

Como alternativa, você pode usar o próprio Coinomi apresentado acima.

É preciso dizer que, dos três tipos de gerenciadores que apresento aqui, esse é um que vem perdendo um pouco de popularidade. As pessoas vêm cada vez mais ganhando confiança nos aplicativos online acima. Por isso, o número de opções para escolher dentro dessa classe vem diminuindo. Incluo esse tipo de gerenciador aqui porque ele ainda pode ser útil para as pessoas que não pretendem usar seus bitcoins no dia a dia (e, portanto, não precisam deles no celular), mas não estão prontas ainda para comprar um aparelho.

Resumo
Segurança: Alta, você detém as palavras-chave com esclusividade. Proteja bem o seu computador.
Conveniência: Média, você só consegue movimentar os bitcoins do seu computador.
Custo: Grátis.

Aparelhos específicos

Essa é a maneira mais segura de guardar seus bitcoins. Estamos falando de pequenos aparelhos (do tamanho de um chaveiro) que se conectam no seu computador por um cabo USB. Há duas razões principais que os torna mais seguros: (a) só se conectam à internet através de seus aplicativos blindados, e (b) sua funcionalidade é tão limitada a fazer o que foram feitos para fazer, que é muito difícil corrompê-los.

Toda essa segurança adicional vem ao custo de dinheiro e conveniência. Os aparelhos precisam ser comprados, e sempre que for usá-los é preciso não apenas estar no computador, mas também conectar o aparelho por cabo USB.

Aparelho da Trezor

A Trezor é a empresa que existe a mais tempo nesse mercado. Hoje, vende dois modelos diferentes de aparelhos. Esses aparelhos são importados e podem ficar presos na alfândega se comprados diretamente dos fabricantes, o que gera atrasos e impostos mais caros do que o próprio aparelho. Há revendedores oficiais no Brasil, mas me parece que essa opção nem sempre está disponível. Vale a pena dar uma conferida. E eles podem, é claro, ser trazidos em uma viagem, por você ou por outra pessoa.

Recentemente descobri que há também um novo aparelho brasileiro: o SafeWise. Vi enquanto passeava no shopping e me pareceu muito bom e seguro, mas não conheço ninguém que já tenha usado. Sua tela é igualzinha à do Trezor, ele talvez tenha aproveitado parte do software. Seu preço é muito mais em conta, e com certeza é mais fácil de comprá-lo no Brasil do que os outros. Mas ainda não conheço ninguém que o tenha usado.

Assim como os gerenciadores acima, os aparelhos específicos também ajudam o usuário a criar sua carteira. E, como sempre, é imprescindível que você anote as palavras-chave porque ninguém mais está guardando essas palavras para você.

Resumo
Segurança: Blindada, nem mesmo um computador corrompido por vírus tira a segurança dos aparelhos.
Conveniência: Baixa, você só consegue movimentar os bitcoins do seu computador, e ainda precisa estar com o aparelho em mãos.
Custo: A partir de R$ 300, a depender da marca e do modelo escolhido.

Comparativo

Cada tipo de gerenciador de carteira possui um propósito, e só você pode definir qual é o melhor para você. Lembre-se que você pode sempre decidir mais tarde passar os bitcoins para outra carteira gerenciada (ou não) por outro gerenciador. Então sua primeira escolha não é uma escolha definitiva.

Para ajudar na escolha, o Economista Visual preparou uma tabela comparativa com todas as opções:

É sempre bom guardar um pouquinho em um aplicativo online para gastos que aparecem. Mas os bitcoins que você não pretende movimentar tão cedo, é melhor guardar em um programa de computador ou em um aparelho específico para isso, a depender das suas possibilidades (e prioridades!) financeiras.

3. Como comprar bitcoin?

Agora que você já tem onde guardar seus bitcoins, veremos como obtê-los. Existem três formas principais, conforme listarei a seguir.

Transação com conhecido

Essa é a forma mais fácil de todas, apesar de (ainda) estar disponível para pouca gente. Se você conhece alguém que tenha bitcoins e queira vendê-los, você pode simplesmente negociar os termos da compra diretamente com ele.

O vendedor transfere os bitcoins para a sua carteira (ensino abaixo como fazer isso), e há diversas maneiras de você fazer o pagamento em reais: dinheiro vivo, transferência ou depósito bancário, etc.

Verifique se o preço que ele sugeriu está bom comparando com o de uma corretora (falo sobre elas na seção abaixo). Outra questão onde pode haver discordância é sobre quem transfere primeiro. Isso depende muito do quanto você conhece a pessoa. Se for alguém muito próximo, tanto faz. Se for alguém que você não conhece, talvez seja melhor exigir receber primeiro ou procurar outra opção. Se for alguém que compra e vende frequentemente de muita gente, ele provavelmente vai exigir receber primeiro, e geralmente é uma pessoa confiável. Cabe a você avaliar esse risco.

Resumo
Acesso: Restrito, é preciso conhecer alguém.
Conveniência: Alta: fácil e direto.
Privacidade: Total.
Segurança: É preciso avaliar.

Corretora

A não ser que você consiga comprar de algum conhecido, essa é a forma mais fácil de comprar bitcoins. Você precisa:

  1. Abrir sua conta em uma corretora (que também funciona como uma bolsa, como a Bovespa) específica de bitcoin.
  2. Fazer um PIX ou uma TED para a conta bancária da corretora.
  3. Entrar no site ou aplicativo da corretora e realizar a compra.

Os dois primeiros passos são bem autoexplicativos. Cada corretora terá um processo quanto a dados e papelada exigidos. E eles mesmos indicarão a conta de destino do PIX/TED.

Uma vez que a TED tenha sido confirmada, ao entrar no site ou aplicativo da corretora, você verá um saldo em reais. A plataforma terá um ambiente de bolsa de valores, muito semelhante ao de mercado de ações, com cotações, preços de compra, de venda, e uma interface para você enviar a sua ordem de compra. Onde estão cada uma dessas coisas na tela depende da plataforma da corretora.

A FoxBit foi a pioneira nesse mercado no Brasil. Depois veio a Mercado Bitcoin, e hoje ambas são robustas e seguras. A Binance, maior corretora do mundo, recentemente começou suas operações no Brasil. Então não faltam boas opções para quem escolher essa alternativa para comprar bitcoins.

Seja lá qual for a corretora escolhida, fique atento para os custos que ela cobra para depositar, operar, sacar e manter depósitos.

Foxbit

Resumo
Acesso: Aberto a todos.
Conveniência: Dá um trabalhinho abrir a conta, para comprar é mais fácil.
Privacidade: Baixa, todos os dados são compartilhados com órgãos oficiais.
Segurança: Se for uma corretora bem estabelecida, é bastante seguro.

Market place

Market place pode ser traduzido como “local de negócios”. Trata-se de um local onde as pessoas se encontram para realizar algum tipo específico de negócio. O Uber é um market place que conecta motoristas e passageiros para um fazer negócio com o outro. O Mercado Livre e a OLX são market places que conectam compradores e vendedores de artigos diversos.

LocalBitcoins

O market place de bitcoin com maior volume hoje é o LocalBitcoins, que é um site finlandês. Market places podem ser vistos como uma fusão dos dois métodos de compra anteriores. Ele encontra uma pessoa interessada em vender para você (como a corretora faz também), mas a transferência de reais é feita por fora do site (como quando se compra de um conhecido). A transferência de bitcoins é feita dentro do site, como veremos a seguir.

Os passos que você precisa seguir são:

  1. Abrir sua conta no site.
  2. Encontrar uma oferta de venda de bitcoins.
  3. Entrar em contato com o vendedor e seguir suas instruções, que invariavelmente passará por transferir o dinheiro para uma conta corrente que ele indicar.

O primeiro passo é simples. Não são exigidos tantos documentos na abertura de conta neste site como nas corretoras brasileiras. Mas isso vem mudando ao longo dos anos, e é provável que os processos de abertura e manutenção da conta se tornem mais burocráticos.

No segundo passo, você verá a seguinte tela:

Tela do LocalBitcoins
  1. Clique em “COMPRA RÁPIDA”.
  2. (Opcional) Digite a quantidade em reais que deseja usar na compra.
  3. Deixe “BRL” e “Brasil”.
  4. Escolha como você quer pagar pelos bitcoins. Recomendo deixar “Todas as ofertas online” pelo número de ofertas disponíveis.
  5. Clique em [Buscar].

Agora você verá todas as ofertas de venda, já ordenadas do melhor para o pior preço. O que você deve ver com atenção:

  • Para sua primeira compra, recomendo fortemente comprar de um vendedor com pelo menos 100 negócios e 100% de avaliações positivas.
  • Veja os bancos em que ele aceita receber os reais. Você precisará fazer uma transferência, uma TED, um PIX ou um depósito para esse banco.
  • Se você não digitou o valor da operação em reais, veja se o valor que ele opera está dentro do que você precisa.
  • Depois de clicar em [Comprar], leia com atenção se o ofertante tem mais alguma exigência que você não está disposto a cumprir. Alguns restringem os horários de operação, alguns pedem fotos de documentos, etc. Cada um tem os seus termos.
  • Clique no link com o nome de usuário do ofertante, e dê mais uma olhada rápida também nas avaliações que ele está recebendo dos outros usuários (apesar de já termos visto que ele tem 100% de avaliações positivas).

Depois de tudo isso, se estiver satisfeito, o último passo da nossa lista é preencher o valor e clicar em [Enviar pedido de transação]. O site se transformará em um chat onde você conversará com o vendedor. É muito provável que ele peça documentos e/ou selfies para garantir que você é o titular da conta bancária que usará para pagamento.

Passada toda a etapa de verificação, você precisará transferir o dinheiro para uma conta bancária que ele indicar. Desde quando você apertou o botão [Enviar pedido de transação], os bitcoins que estavam na conta dele foram guardados pelo site. Quando ele ver que o dinheiro caiu na sua conta, ele avisará o site que você pode recebê-los, e você verá seu saldo de bitcoins ser atualizado.

Em casos raros, pode haver algum tipo de disputa entre comprador e vendedor. O site tem uma equipe de mediação, mas minha recomendação é evitar ao máximo qualquer tipo de problema, lendo e seguindo atentamente os termos do vendedor. E lembre-se que, assim como no Mercado Livre, você será avaliado a cada transação. Então se você tiver avaliações ruins, não conseguirá mais encontrar compradores e vendedores para fazer negócios.

Uma alternativa de market place para usuários mais avançados que surgiu recentemente é o Bisq. Trata-se de uma rede descentralizada de compradores e vendedores. Não vou entrar em detalhes aqui por se tratar de um artigo para quem ainda está começando, mas é bom saber para o futuro que, apesar de ser uma ferramenta muito mais complexa, há um ganho imbatível em privacidade em relação ao LocalBitcoins.

Resumo
Acesso: Aberto a todos.
Conveniência: Dá um trabalhinho abrir a conta, depois mais um trabalhinho sempre que for comprar.
Privacidade: Alta, os dados (a princípio) não são compartilhados com ninguém.
Segurança: Relativamente seguro, mas é importante procurar traders de boa reputação.

Comparativo

Qual é o melhor para você? Depende do que você busca. O quadro abaixo elaborado pelo Economista Visual resume um pouco as vantagens e desvantagens de cada um:

Quem puder comprar de um conhecido de confiança, essa provavelmente será a melhor opção. Para quem não puder, é preciso pesar conveniência e segurança de um lado, e privacidade do outro. Caso conveniência e segurança sejam mais importantes, o melhor caminho é o de uma grande corretora como a FoxBit. Caso seja a privacidade (que não deixa de ter o seu aspecto de segurança; afinal, sabe-se lá quem recebe essas informações que podem ser facilmente usadas para deduzir o seu nível de renda), aí um market place como o LocalBitcoins atende melhor suas necessidades.

4. Transferindo os bitcoins para a sua carteira

Se você seguiu as instruções até aqui, você já sabe como comprar bitcoins e já criou uma carteira para guardá-los. Só falta entender como transferir de onde eles estão para onde ficarão guardados.

Entre no gerenciador de carteira que você escolheu e procure algo como “Receber”. O gerenciador deve fornecer um endereço de bitcoin (como apresentado no glossário acima). Guarde esse endereço.

Se você está comprando de um conhecido, tudo o que precisa fazer é fornecer esse endereço para ele. Ele saberá o que fazer a partir daí.

Se você está com os bitcoins em corretora ou no LocalBitcoins, você precisa encontrar onde “sacar”, “retirar”, ou algo parecido. O site pedirá um endereço para onde enviar, e você deve copiar e colar o endereço que o seu gerenciador de carteira forneceu, e depois confirmar a operação.

Em todos os casos, os bitcoins aparecerão na sua carteira em poucos segundos ou minutos, a depender do gerenciador que você está utilizando.

Parabéns! Agora você é mais um feliz proprietário da moeda que une tecnologia, segurança, reserva de valor e privacidade!

5. Dicas básicas de segurança e privacidade

Mesmo tentando manter esse guia conciso respondendo objetivamente a pergunta “Como comprar bitcoins”, existem alguns cuidados que são essenciais e que quero incluir aqui. Vamos passar por eles rapidamente.

Cuidados com as palavras-chave

Seja lá qual for o gerenciador de carteira que você escolher, a origem da sua carteira está em um conjunto de 12 a 24 palavras-chave escolhidas pelo próprio gerenciador. As palavras-chave são a origem de todas as chaves privadas que provam que você é quem “controla” os bitcoins recebidos por cada endereço desta carteira.

O interessante é que essas palavras-chave podem recriar a sua carteira, usando o mesmo ou outro gerenciador de carteira. Por exemplo, suponhamos que você crie sua carteira usando um aplicativo de celular. Se você perder o celular, você não perderá os bitcoins desde que você ainda tenha as palavras-chave. Você pode instalar o aplicativo em outro celular, inserir as palavras-chave, e toda a sua carteira terá sido recriada, inclusive com o saldo que tinha quando você perdeu o celular. É como remover o Facebook do celular e depois instalar o aplicativo de novo. Todos os seus posts, amigos e curtidas ainda estarão ali.

Estou explicando isso porque, dessa forma, é essencial que (a) você nunca perca as suas palavras-chave, e que (b) ninguém nunca encontre essas palavras-chave.

Existe muita discussão sobre como fazer isso. A não ser que se detenha um volume muito grande de bitcoins, dicas simples funcionam:

Billfodl
Cada um tem o seu nível de paranóia. Há quem compre esse aparelho de metal onde você pode colocar suas palavras-chave e mantê-las a prova de água, fogo, e choques físicos.
  • Escreva as palavras em um pedaço de papel.
  • Numere as palavras para saber a ordem delas.
  • Escreva calmamente, em letra legível e conferindo letra a letra com a ortografia exata que está no gerenciador.
  • Escreva a caneta (lápis apaga com o tempo).
  • Nunca digite as palavras em computador ou celular (eles podem estar comprometidos, mesmo que você não saiba).
  • Jamais tire fotos, principalmente com o celular, de suas palavras-chave escritas em papel.
  • Guarde o papel em lugar seguro de umidade e escondido de outras pessoas (no fundo de uma gaveta cheia de tranqueira, por exemplo).
  • Crie um alerta no celular para a cada 30 dias verificar se você se lembra onde guardou o papel.

Proteja seu gerenciador com senha

Qualquer gerenciador de carteira oferece diversas configurações de segurança. Recomendo que utilize pelo menos senha e autenticação em duas etapas. Outras configurações podem ser interessantes para volumes grandes e/ou para os paranóicos.

Cuidado ao copiar/colar endereços

Sempre que você for receber ou transferir bitcoins, você precisará receber ou informar um endereço de bitcoin para outra pessoa (ou site, ou aplicativo, etc). De toda aquela sopa de letrinhas que é o endereço, se uma das letrinhas estiver errada, os bitcoins serão irreversivelmente enviados para a carteira errada.

Então depois de copiar e colar, confira bem se os endereços batem, inclusive quanto a letras maiúsculas e minúsculas. Existe a chance de a corretora informar que o endereço está errado (eles seguem um padrão específico), mas não conte com isso. Confira atentamente pelo menos as 4-5 letras no início e no final para ver se você copiou tudo.

Tente usar um endereço por remetente

Para cada endereço, é possível saber quanto ele já recebeu e quanto já enviou de bitcoins. Então se você dá um endereço para alguém para que ele lhe envie bitcoins, essa pessoa consegue facilmente descobrir quanto você já recebeu naquele endereço de outras pessoas.

Isso provavelmente não é desejável, então a solução é evitar ficar usando sempre o mesmo endereço. Para cada remetente, forneça um endereço diferente. Isso dificulta (embora não impeça totalmente) que se descubra pistas sobre a sua situação financeira.

Evite deixar reais ou bitcoins em corretoras ou market places

Não tem problema deixar algum saldo nas corretoras ou em market places como o LocalBitcoins, mas existe uma tentação muito grande de usá-los como carteira.

Não faça isso, principalmente agora que está começando e não sabe avaliar muito bem os riscos. Corretoras controlam bilhões de reais em recursos, e são ímãs de ataques de hackers. Por mais que se protejam, nunca são tão seguras como você consegue ser. Então use-as para negociar bitcoins, mas depois transfira os bitcoins para a sua carteira.

6. Conclusão

Espero ter ajudado a dar os seus primeiros passos. Claro que há muito mais o que aprender, e muitas outras possibilidades que ainda não foram exploradas.

Mas o entendimento do que está nesse guia já é o suficiente para um iniciante não só fazer a sua primeira compra, mas também continuar aprendendo por conta própria. Como já expliquei em outro artigo, acredito que as criptomoedas prevalecerão sobre as moedas estatais que temos hoje. Então quanto antes alguém começar a aprender sobre elas, melhor.

Me conte nos comentários o que achou e o que acha que ficou faltando!

Felipe é economista e libertário. É também fundador da Academia Liberalismo Econômico. Além da Academia Liberalismo Econômico, seu trabalho já apareceu no Instituto Mises Brasil, na Foundation for Economic Education, no Instituto Liberal, entre outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *